Diaconia

Diaconia é um termo grego traduzido na Bíblia como "servir". Para a Irmandade Betânia, a diaconia é realizada com palavras e ações, e dirige-se ao ser humano, de acordo com as necessidades específicas de cada um. A palavra diaconia é fundamentada nos textos bíblicos e contextualizada na realidade de cada época. O serviço cristão visa o desenvolvimento das pessoas em todos os aspectos.

A palavra "diaconia" é usada na Bíblia de três formas: como o verbo "servir" (diakoneo), como o substantivo "serviço" (diakonia) e como o substantivo "diácono" (diakono).

 

O verbo "servir" (diakoneo) recebe seu sentido neo-testamentário da pessoa de Jesus e do seu Evangelho. Jesus é aquele que nos serviu da maneira mais profunda e intensa possível, não buscando seus interesses, mas dando sua vida pela nossa salvação. "Servir" se tornou a palavra que caracteriza as ações e as obras de amor que, brotando do coração de Deus, alcançam o irmão e o próximo. "Servir" é o amor em ação.

O substantivo "serviço" (diakonia) se refere a um serviço no qual as forças e os bens são investidos em favor dos outros, e, deste modo, a diaconia se revela como o elemento fundamental para a manutenção da comunhão (koinonia). Paulo amplifica o conceito de diakonia ainda mais quando se refere a toda a obra salvadora de Deus como a uma diaconia de Deus em Cristo a favor de todos os homens. A palavra "diaconia", de certa maneira, é, portanto, uma palavra técnica para se referir ao trabalho evangelístico.

 

O substantivo "diácono" (diakono) se refere a pessoa que está envolvida na tarefa de servir com amor ao próximo, seja por meio da diaconia pela Palavra ou pelas ações. O Diácono ou a Diaconisa, é alguém que serve a partir do grande Diácono que é Cristo. O Novo Testamento se refere ao diácono como alguém que serve num sentido bem amplo (Mat. 20:26 - "Não é assim entre vós; pelo contrário, quem quiser tornar-se grande entre vós, será esse o que vos sirva [diácono]"). O apóstolo Paulo também se designa como diácono de variadas maneiras: diácono da Nova Aliança, diácono do Evangelho, diácono de Cristo, diácono de Deus, diácono da Igreja, diácono junto com Apolo, pelo qual os coríntios chegaram à fé. O próprio Senhor Jesus é chamado de diácono: "Digo, pois, que Cristo foi constituído ministro [diácono] da circuncisão, em prol da verdade de Deus, para confirmar as promessas feitas aos nossos pais" (Rom. 15:8).

 

Portanto, o Diácono ou a Diaconisa (Rom. 16:1) é alguém que serve a partir do Grande Diácono Cristo. Ele continua a obra da diaconia, a obra de servir, a obra de Cristo e, deste modo, está envolvido ativamente na obra da dignificação das pessoas.

"A chave da identidade diaconal é que suas dimensões vertical e horizontal são inseparáveis. Sem a dimensão vertical, a diaconia perde sua visão espiritual do mundo e suas raízes naquilo que a igreja proclama e celebra. Ela corre o risco de tornar-se mera ação social, determinada por interesses e objetivos seculares. A dimensão horizontal é igualmente indispensável para a diaconia. Sem ela, a diaconia perderia seu chão na vida real e não continuaria sendo uma resposta aos desafios da sociedade. Se isso acontecesse, a diaconia viria a ser espiritualizada e por demais limitada por seu marco teológico-eclesiástico." (Extraído de "Diaconia em Contexto" - Federação Luterana Mundial).